29 abril, 2010

Lidando com o inusitado



Sempre gostei de situações inusitadas com pessoas desconhecidas. Mas, conversar com elas nunca foi o meu forte. Portanto, quando eu passo mais de 20 minutos conversando animadamente com uma pessoa que nunca vi é de se estranhar.

Ficar sozinha durante muito tempo também não faz muito o meu estilo, ainda mais quando preciso esperar quase 2h sentada no corredor da faculdade. Talvez esse tenha sido o motivo do que aconteceu essa semana. Às vezes, é fato, tudo conspira para que esse tipo de coisa aconteça. E, provavelmente, não foi a toa que naquele dia minhas aulas tenham terminado 1h30 antes do horário normal.

Como era o único dia da semana em que tenho carona de volta para casa, sentei-me a fim de esperar. Não havia levado nenhum livro e ninguém conhecido e querido o suficiente estava à vista.

Fiquei preocupada.
Teria que arrumar algo para fazer.

Abri meu caderno e comecei a escrever uma música que estava na minha cabeça. Sentada com as pernas cruzadas, as pessoas que passavam pelo corredor sempre olhavam para mim ali. Certamente, a cena deveria ser o cúmulo da falta de amigos ideal da solidão.

Uma garota sentada, sozinha, escrevendo algo em seu caderno. Daria uma boa foto, pelo menos (mentira).

Comecei a notar uma movimentação diferente. Apesar de parecer inerte, eu quase nunca consigo me desligar completamente do mundo à minha volta. Vi um garoto encarando a porta do laboratório de fotografia. Ele olhou pra mim e perguntou se eu estudava ali, ao que respondi que sim. A próxima pergunta era se a pessoa responsável pelo empréstimo das máquinas voltaria logo.

Dei uma risadinha antes de responder. Afinal, encontrar os funcionários na faculdade é algo totalmente impossível extraordinário. Ainda mais no laboratório de fotografia.

Respondi que não saberia dizer, já que os horários são meio não cumpridos diferentes ali. A resposta pareceu satisfatória, já que ele se despediu e foi embora.

Passei mais alguns minutos pensando e alguns colegas compadecidos pela minha solidão trocaram algumas palavras comigo.

O mesmo garoto, então, retornou.
Dessa vez com um pacote de amendoim na mão (eco).
Olhou para a porta ainda trancada.

Fiquei observando a cara de desapontamento que ele fez (como se tivesse esperado 1 semana para voltar ao mesmo lugar). "Será que vai abrir hoje?", foi o que ele disse. Ri novamente e disse que, provavelmente, não. A funcionária certamente já teria saído para o almoço.

Agora era indignação o que estampava seu rosto. "Já são quinze pras onze, né", eu observei. Ele se sentou ao meu lado e começamos a conversar. Primeiro o que ele fazia ali e porque precisava tanto de uma máquina. Conversamos por quase 30 minutos. Se alguém passasse por ali, acharia que éramos velhos conhecidos. Apesar de só descobrirmos nossos nomes no final da conversa quando, desapontado, ele se levantava para ir embora, definitivamente.

"-Qual é mesmo o seu nome?
- Juliana.
[...]
- E o seu?
- Lucas."

Isso foi o que mais me chocou.
-beijocomenta;*

7 comentários:

João disse...

Uma vez um amigo meu conversou com uma garota durante meia hora num ponto de ônibus e quando foi se despedir ela disse que o nome dela era Jorge.

Não tem nada a ver com o tópico em questão, mas acabei me lembrando disso.

Lucas disse...

Ah, já passei por várias situações assim...

Karol disse...

que engraçado o comentário do joão....kkkkkkkk

obrigada pela visita querida..bjos

Say disse...

Esse aí apareceu no lugar certo e na hr certa...pelo menos para vc xD~~

Carlinha disse...

ele era bunitinho pelo menos?? =P [é pra vc rir!!]
essas conversas com pessoas na rua são meio loucas... mas são de encontros e desencontros que são feitos a vida nê? e as vezes esse encontros sem serem marcados podem fazer toda a diferença!

Péricles Carvalho disse...

Isso sempre acontece comigo... no último FICA, eu fui pegar o ônibus na sexta a noite, rumo à city de Goiás...

encontrei uma menina da engenharia, conversamos, tomamos um chopp, continuamos conversando durante toda a trip, olhei as coisas dela na rodoviária de Goiás e nos despedimos...

não lembro o nome dela, mas sei que ela tava indo pra frança em breve, talvez por isso eu nunca mais a encontrei...

essa é só 1 das experiências que tive na vida
hehe

bjo madrinha - saldadz! =D

Bruno Rodrigues disse...

kkkk...
Prefiro nem comentar o final... kkk
Lucas? ;D
Esse tipo de coisas só acontece com vc msmo...
Beijoss...

Postar um comentário

 
;