06 maio, 2010

Vulnerabilidade forçada



Se tem uma coisa que eu não gosto é de assalto. Bom, acho que ninguém gosta de assalto na verdade. É uma situação extremamente chata e imprevisível. E o pior é que, geralmente, você fica com tanto medo que nem sabe ao certo o que fazer.

Se chora.
Se ri.
Se corre.
Se fica.
Se bate.
Se apanha.

Uma vez ouvi algo muito interessante durante uma pregação. O preletor falava sobre entrega e usou o fato de ter sido assaltado há alguns anos como exemplo. Na época foi meio-que absurdo, já que eu nunca havia sido assaltada. Mas, hoje eu entendo direitinho o que ele quis dizer com tudo aquilo.

Assalto está muito relacionado à vulnerabilidade. Quando um cara armado resolve que vai levar algo que é seu sem a sua permissão, você fica totalmente vulnerável e meio-que à disposição do sujeito. É uma sensação muito estranha.

Já fui assaltada algumas vezes.

A mais traumática delas aconteceu quando eu tinha por volta de 15 anos. Naquela noite eu fui dormir na casa de uma amiga. Outros amigos nossos também iriam para lá, assistir filme e conversar um pouco. Em meio às risadas, durante o trailer do filme que havíamos escolhido, três homens com máscaras de palhaço irromperam pela sala anunciando o assalto.

Talvez devido ao clima descontraído em que nos encontrávamos, nem percebemos que o assunto era sério até que um dos queridos resolveu que precisava dar um coronhada na cabeça de um dos rapazes. O sequestro assalto demorou cerca de 1h30, com direito à lanche para os convidados e muita porrada violência.

A palavra que melhor define tudo o que aconteceu é tenso.

Foi tudo tão cinematográfico que, depois que a quadrilha foi embora, deixando-nos todos amarrados e amordaçados, disparei a rir. Não porque eu ache sexy ser amarrada ou amordaçada. Sinceramente, não gosto da sensação de ser tratada como um porco. Na verdade tem mais a ver com reações a momentos de tensão. Já a mãe da minha antiga amiga não achou tanta graça quanto eu.

Talvez por causa da sombra roxa que eles deixaram no olho dela.
Ou talvez porque a polícia demorou um bom tempo para chegar ao local.
Ou talvez porque a quadrilha tenham depenado a casa toda.
Ou talvez porque os assaltantes nos tenham mantido com a cara, literalmente, no chão por mais de uma hora sob ameaças de morte que, realmente, pareciam bem sérias.

Não sei.
Só sei que a minha crise de riso não foi solitária.
Algumas das meninas também riram bastante.

As outras experiências não foram tão incisivas quanto essa, mas em todas me senti da mesma forma: violada. É horrível sentir que alguém, além de você (e se, como eu, você acredita em Deus) e Deus, tem poder de escolha sobre sua vida.

Outro dia uma amiga me contou que foi assaltada. Levaram a bolsa dela em uma panificadora. Ela ainda nem havia feito o pedido. Tudo estava dentro daquela bolsa. [...] Também já tive meus documentos roubados. Além de tudo, ainda causa o maior transtorno para regularizar tudo depois. Coisas como frequentar delegacias e enfrentar filas para "retirar" a 2ª via dos documentos. Não é nada agradável mesmo.

E aí é nesse momento que você entende o real significado de se entregar. De se sentir impotente. De se tornar vulnerável.

-beijoscomentem;*

10 comentários:

Rafael Marton disse...

Eu nunca fui assaltado!!!
Mais esses dias na rua tive que correr de uns trombadas na rua para não perder o pouco que eu tinha!

João disse...

Não conseguir se proteger é realmente uma das piores sensações do mundo...Eu fui assaltado uma vez e acho que supriu a minha cota de sensaçao de impotência pra vida toda.
(máscaras de palhaço? realmente isso foi cinematográfico)

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Uns dois caras chegaram do nada, cataram minha bicicleta e ainda me mandaram calar a boca. A única coisa que eu fiz, sem pensar muito, é claro, foi pedir por minha chave que estava pendurada no guidão, mas o que ouvi foi um sonoro: chave é o caralho.

É tenso a sensação de ser roubado.

Obrigado pelos parabéns.

até mais.

Jota Cê

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Juliana do céu, graças a Deus nunca fui assaltada e espero permanecer intacta. Mas já presenciei um assalto e minha reação foi calma.. acho.

Agora consegui comentar!

\0/

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

pequena disse...

Ai amiga, já fui assaltada e é um das pioressensações que já senti, se sentir invadido, humilhado submissso e indefeso putz... é muuuuito duro

Flor to passando pra deixar um beijão e desejar uma boa noite, saudadinhas de vc rsss

xerim miga e se cuida tá?

Luciana disse...

Tô aqui pra te convidar a conhecer o nosso blog, o Plugadas! Um blog totalmente conectado no que há de mais atual em moda, beleza, comportamento, filmes, música, enfim, no que há de melhor! E já tá rolando promoção! Dá uma olhadinha depois e comente, se possível! http://www.plugadas.net
Plugue-se também e ajude-nos a divulgar nosso projeto!
Beijos!

PS: Ju me identifiquei com você, também sou corinthiana ROXAAA!

Kakau4ever disse...

Nossa Jú que situação que vc passou.
O ônibus que estava já foi assaltado, mas graças a Deus nem chegaram perto de mim.
Ainda mais onde moro, né?
miga tem promo no blog. Participa.
bjoksss

By Karen disse...

Graças a Deus eu nunca fui assaltada. E sinto muito pela situação que você passou ):
Beijos

Hi Girl disse...

Oi tudo bom?Estou sempre por aqui conferindo as novidades, mas agora preciso da sua ajuda!
Minha FRASE foi selecionada para um concurso e agora está em votação para ganhar um NETBOOK, por favor, poderia me ajudar a ganhar este presente?
É só clicar aqui http://migre.me/Evby votar na @sahvianna!

MUITO OBRIGADA A VOCÊ QUE AJUDAR! CONTE COMIGO!!!

Diego Binow disse...

Olá! Adorei conhecer seu blog!
Muito lindo e criativo seu blog!
Voltarei sempre!
Bjs
=*

Postar um comentário

 
;