31 agosto, 2009 6 comentários

Blog Day!



Hey, gentchy! Acabei de descobrir que hoje é #BlogDay! Vi no blog da Juli, o Garotinha Juvenil. E decidi aderir também. Segundo ela, o #BlogDay foi criado para que os blogueiros dediquem um dia a conhecer de novos blogs, de outros países ou áreas de interesse. Nesse dia os blogueiros devem recomendar novos blogs aos seus visitantes! Esse aqui é o site oficial da data: Blogday.Org.

As minhas recomendações são:
Trendy Twins by Gêmeas Boa e Má
Flores no Deserto by Lany Pequena
Just Lia by Lia Camargo
Dana-box by Lorena Gonçalves
Ouvidos Mudos by José Eduardo (Zé!)

Ano que vem, mais indicados!
Happy #BlogDay to bloggers, all them!

-beijofelizdiablogueirosdeplantão;*
3 comentários

Resultado da Promoção 1 Ano de JE!



Finalmente chegou o dia do sorteio do DVD de The Butterfly Effect (Efeito Borboleta, 2004). Tivemos, ao todo, 40 pessoinhas participando da Promoção 1 Ano de JE!, e uma delas foi a sorteada! O número 11 foi gerado pelo site Random.Org.
E quem ganhou foi a Marcela Guimarães (do BuzzStop). ! Eu já enviei o email pra ela, e caso ela não responda até quarta-feira, um novo número vai ser sorteado, tá bom. 

A lista dos participantes por ordem de inscrição:

1. Sayonara Morais - Natal/RN
2. Péricles Carvalho - Goiânia/GO
3. Rafael Dias - Goiânia/GO
4. Karina dos Santos - São Paulo/SP
5. Marcilany Rodrigues - Teresina/Piauí
6. Karime Nunes - São José dos Campos/SP
7. Rebeca e Jota Cê - Fortaleza/CE
8. Cristin - São Paulo/SP
9. Rubens Salomão - Goiânia/GO
10. Lorena Gonçalves - Aparecida de Goiânia/GO
11. Marcela Guimarães - Aparecida de Goiânia/GO
12. Bruno Rodrigues - Aparecida de Goiânia/GO
13. Vinicius Config - Goiânia/GO
14. Túlio Moreira Rocha - Goiânia/GO
15. Lucas Gomes - Ouro Preto/MG
16. Vanessa Nunes - Itajubá/MG
17. Nana Cawaii - São Paulo/SP
18. Paula Falcão - Goiânia/GO
19. Theodora Beluzzi - Apiaí/SP
20. Karmen Karoliny - Montes Claros/MG
21. Kelvin Krishna - São Paulo/SP
22. Natalia Zolla - Bebedouro/SP
23. Vanessa Alves - Aparecida de Goiânia/GO
24. Alessandra de Queiróz - São Paulo/SP
25. Suzana Moreira - Saquarema/RJ
26. Mércia Peixoto - Petrolina/PE
27. Bruna Castro - Santo Antônio do Monte/MG
28. Lilian Hatori Colella - São Caetano do Sul/SP
29. Gisele Fagundes - Santa Bárbara do Oeste/SP
30. Bruna Silva Felipe - Curitiba/PR
31. Ana Carolina de Jesus Dornelles - Belo Horizonte/MG
32. Laiana Garcia - Rio de Janeiro/RJ
33. Pâm Gonçalves - Tubarão/SC
34. Jéssica Dourado - Carapicuiba/SP
35. Daiane Magalhães - Jundiaí/SP
34. Isabella Cometti - Caruaru/PE
35. Eliane Tatei - São Paulo/SP
36. Carlos Alexandre Cavarzan - Goiânia/GO
37. Quétili Lamperth - Santa Maria/RS
38. Kimie Konishi - Recife/PE
39. Bruna Costenaro - São Paula/SP
40. Caroline Araújo da Silva - São José dos Campos/SP

É isso aí, gentchy. Tomara que venham mais datas especiais pra nos presentearmos!. \o/

-beijomandoemailseprecisar;*
30 agosto, 2009 6 comentários

Quem disse que eles têm que gostar de futebol?



Como a maioria de vocês sabe, eu sou uma daquelas garotas eleitas pra ser melhor-amiga, leia-se brother, dos garotos, e sim, eu adoro isso! Talvez seja o fato de ter crescido entre garotos (2 irmãos e um MONTE de primos fazem isso a qualquer garota). Mas, eu não sou nem de longe, uma daquelas garotas maria-machão que tem por aí. Sou Penélope (Cadastrem-se meninas, é muito legal e as premiadas vão receber kits bem legais!) por natureza: sintonizada com tudo quanto é tipo de informação, mas sem abrir mão de ser muito, mas MUITO feminina!

Já disse aqui que quando chego em qualquer rodinha de amigos/meninos o assunto que rola solto é o tal do futebol. É um tal de "quanto ficou o jogo?" pra cá e "como tá a classificação?" pra lá sem fim. Mas, eu não reclamo, não. Adoro! Até porque, confesso, sou torcedora mesmo, vejo tudo quanto é jogo e acompanho o Brasileirão, sim! O fato é que, de uns tempos pra cá notei certas diferenças no comportamento dos rapazes, e vou eleger 4 personagens principais aqui pra esse texto e eles fazem parte do 2º grupo:

1º. Os Fanáticos: Tem os Mistos de São Paulo e Goiás, de Corinthians e Goiás, de Palmeiras e Vila-Nova, tem o Goiaba - entre outros Esmeraldinos -, tem o Santista, tem aquele que torce pelo Dragão, tem aqueles que insistem em torcer pro Porco, tem os perseverantes, mais conhecidos como flamenguistas, e tem até quem torce pela Lusa.

2º. Os Indiferentes: Tem o que elegeu a F-1 como substituta, tem o que prefere jogar a assistir jogos, tem o que detesta futebol e é provável que ele nem queira ler esse texto quando vir qual é o assunto. mal sabe ele, que ele é o assunto e tem o que não entende e não faz questão de entender.

Bom, pensando a esse respeito, cheguei a conclusão de que, hoje em dia, não é mais necessário gostar de futebol pra ser homem de verdade, por assim dizer. Acho interessante quando penso no passado e observo que, antigamente, aquele priminho que não gostava de ir pra rua esfolar o dedão correndo atrás de uma bola, ou de sentar no domingo a tarde em frente a uma tv para assistir a qualquer jogo que estivesse passando, não era considerado o mais homenzinho da turma. Além disso, todos os garotinhos eram criados para serem torcedores de algum time, em geral, o dos pais remetendo-me àquela propaganda do Ser torcedor.


Ao que parece, quando a gente cresce, passa a entender que aquilo não importa tanto assim ou, como no caso dos fanáticos e eu tomo a liberdade de me encaixar nesse grupinho, passa a entender a coisa de outra forma e a ter aquilo como um hobby. Bom, mas não é sobre quem gosta que eu quero falar, mas sobre algumas situações específicas envolvendo meus 4 amigos indiferentes ao futebol.

Outro dia, conversando com o 2º tipo, cai na real de que nunca havia conversado com ele sobre times, ou qualquer coisa. Perguntei a ele se torcia pra algum, ao que ele me respondeu que sim, mas que não acompanhava jogos, preferindo ir bater uma bolinha com a galera, ao invés de gastar seu tempo acompanhando uma tabela. Engraçado foi o que eu respondi: " - Nossa! Mas, desse jeito eu to bem mais menino que você, hein!". Rimos juntos.

Outra situação engraçada envolve nosso fanático por F-1. Acho graça que ele se diz torcedor do Corinthians só uma de nossa milhares de coinscidências malucas, daí quem passa os resultados dos jogos sou eu e ele me informa das corridas, quando conversamos regularmente, já que as mineiras têm chamado mais sua atenção, ultimamente ou seriam as paulistas?! piadinha interna, plx.

Com os outros dois a coisa é um pouco mais séria, a situação tende a ficar um tantinho mais tensa. Nenhum deles é daqueles que deixa o assunto de lado, só porque não gosta. Um, não perde tempo em me atacar calma, nada tão violento quando toco no assunto, ou falo algo a respeito do meu #Timão. O outro, indigna-se quando me vê falar e/ou escrever a respeito, mas também o mesmo ocorre quando falo de coisas na concepção dele tolas e/ou fúteis tipo, a cor do meu esmalte.


O interessante disso tudo é que, com eles, não tem fórmula a seguir. Não preciso, necessariamente, saber da última atualização da tabela do Brasileirão, mesmo que eu saiba. Não que, com meus outros amigos, não existam outros assuntos, mas é que, com esses 4, em especial, há algo diferente. Se, eu sou uma brother, posso deliberadamente, encará-los como sisters. Não que não sejam homens ou lhes falte masculinidade, muito pelo contrário. Eles sabem ser caras sem ser torcedores, assim como eu sei ser garota sendo um grande brother.

Tirando tudo isso, o que fica é que, atualmente, na sociedade moderna e liberal em que vivemos, não existem, obrigatoriamente, coisinhas de menina e interesses de menino. Hoje tudo é mesclado. Assim, muitas garotas gostam e entendem do tal futebol, ou de F-1, e tem até aquelas geeks, assim como tem garotos que gostam de estudar idiomas, ou de aprender teoria musical, e até de se cuidar, como é o caso dos metrossexuais. Não sei, ao certo, até que ponto essa inversão de valores é interessante. Mas, até agora, foi bem legal pra mim. Afinal, quem disse que elas têm que gostar de bonecas e brincar de casinha para serem mulheres interessantes? eu e minhas conclusões nada conclusivas

-beijomeucelvaificarinativo;*
24 agosto, 2009 14 comentários

We need Cats! ♥

No sábado passado (15/08) eu assisti 2 filmes de madrugada. Tive uma insônia camarada e resolvi ficar vendo Tv até que o sono resolvesse me fazer uma visitinha. Quando liguei a Tv, tipo 23h, estava começando Pinocchio no DisneyChannel. Tinha uma idéia do filme, mas não muita certeza de que estava certa quanto à história do animado. Decidi assistir pra tirar a prova dos sete.

[Fígaro e Pinnochio, sem sinal de virar "menino de verdade!"
- Imagem retirada
DESTE post do Quizilla]

Realmente, à 1 e pouco, quando acabou o desenho, eu tive a certeza que nunca mais assistiria àquele filme. Não gosto e nunca gostei. Essas coisas de raposas malvadas e baleias satânicas não são comigo prefiro FreeWilly, nesses casos, haha, além do mais, aquela coisa de "menino de verdade!" que o Pinocchio repete umas 10 mil vezes durante o filme me irritou bastante. Entretanto, têm dois personagens que, definitivamente, adoro nesse filme e um deles me fez ter uma reflexão danada que culminou nesse post.

O 1º é o Grilo Falante, a nossa querida Voz da Consciência - achei bem legal (de novo) a sacada de colocar um bichinho mínimo e mágico para ser o guia do menino de madeira. O 2º quem achou que seria a Fada Azul, errou é o Fígaro! O gatinho do Gepetto é uma graça, ele é todo fofo e sim!, foi ele que me fez pensar. Nada de reflexões muito absurdas ou revelações de um mundo melhor. Só fiquei pensando que, afinal, eu quero um gato!



[Toulouse, Marie, Berlioz em The Aristocats
- Imagem retirada DESTE post do Onelion's Weblog]

Eu nunca tive um gatinho e tenho pra mim que é por isso que achava que não gostava. Fui criada pra isso, afinal. Todos somos. Tem-se uma cultura boba de que gato não é um bichinho de estimação muito companheiro, ou que é arisco demais, ou que é independente demais, ou até que é traiçoeiro demais me mato, mas não revelo a fonte dessa última injustiça. Daí depois de ver aquele gatinho lindo que é o Fígaro eu fiquei com isso na cabeça.

Além do mais, eu adoro The Aristocats, e eles são todos gatos que cantam ainda por cima. me divirto!. Também tem o Cheshire Cat, de Alice In Wonderland ele é muito medonho, às vezes, mas é um mestre (Aliás, estou esperando ansiosamente pela estréia do novo filme!). Tem ainda o Tom, o Frajola e o Gato de Botas.

[Chesire Cat *Gato Mestre* in Alice in Wonderland
- Imagem por meio do Google]

Já tinha começado a perder a minha neura com os bichanos há um tempinho, devido às incontáveis blogueiras que amam gatos, uma delas, minha amiguinha @lany_pequena (Flores no Deserto) também tem um gatinho, o Melado! Além disso, tem outras blogueiras, como a @kittykills (Just Lia), que tem 2 gatinhas, a Kitty e a Mimmy. Com tudo isso atravessando minhas idéias, até pensei em começar uma pseudo-campanha aqui em casa, pra que eu ganhasse o meu, até porque, meu irmão faz Veterinária e ele poderia pegar um dos filhotinhos-fowfos que tem pra adoção no Hospital da Escola de Veterinária lá da Federal.


[My babies: Rubi, Coqueta e Jade - da esquerda para a direita
- Imagem tirada especialmente para esse post!]


Mas, ao menor sinal da minha greve de fome
até parece que eu faria isso. é só pra dar um ar de tragicidade ao texto, ok, a momis já foi me cortando! Tá, confesso. A gente tem 3 bebês em casa. Quer dizer, elas nem são mais tão babies assim, a mais velha já tem 7 aninhos completos. São 3 cachorrinhas e minha mãe não fica muito feliz com a idéia de ter mais um animalzinho em casa pra cuidar se bem que eu iria assumir tudo, né. Além disso, meu pai, definitivamente, não gosta de gatos. ;x E ele se torna uma pessoa muito malvada olha o exagero quando esse assunto entra em pauta.


[Gatinho da Whiskas - Imagem encontrada através do Google]

Então já me conformei, que só vou poder ter meu gatinho quando tiver meu próprio cantinho, enquanto isso, vou ficar assistindo a propaganda da Whiskas e babando naquele gato-jaguatirica liêndo que sempre aparece e também ouvindo a trilha sonora de The Aristocats que é muuito divertida. Assistam o clipe da minha favorita e ThemeSong do filme AQUI!
-beijoligoseder;*
09 agosto, 2009 49 comentários

Promoção 1 ano de JE!



Oê, gentem.!

Então, esse vai ser um post super-rápido. Como eu havia dito no psot anterior, o Juliana Ever compeltou 1 aninho ontem (08/08). Daí eu fui lá no shopping com um amigo meu pra achar algo legal pra sortear aqui, em comemoração ao aniversário desse nosso cantinho. *-* E achei algo que acho vai agradar a todos *esperodecoração*.

É o seguinte:

O Juliana Ever vai premiar um leitor(a) com o DVD do filme Efeito Borboleta (The Butterfly Effect, 2004).


Sinopse: Ashton Kutcher é Evan Treborn, jovem estudante de psicologia que teve diversos problemas enquanto criança e adolescente, sofrendo de desmaios e bloqueios de memória. Após reencontro com seu amor de infância, Kayleigh (Amy Smart, Evan descobre que, ao ler seu diário, consegue enviar sua consciência adulta para o passado, em seu corpo de criança. Ele altera atitudes e muda completamente o seu destino, de sua namorada e amigos. Mas, Evan rapidamente descobre que ter o dom de manipular o passado, não significa controlar o futuro.



O DVD vem com vários extras, como Por Trás das Cenas, Bastidores, Entrevistas, Efeitos Visuais e spots com explicações sobre a Teoria do Caos e sobre Viagem no Tempo. 



Para participar da promoção:
Antes de tudo tem que ser seguidor do Juliana Ever. É bem fácil, na coluna da direita tem um widget onde você pode se filiar ao blog. Segundo, é só deixar seu nome, email e cidade e estado nos comentários. A promoção vale até 23h59 do dia 30 deste mês (agosto).

E é importante lembrar, que só vale inscrever seu nome
uma vez, senão a brincadeira perde a graça.
O nome do sorteado vai ser publicado aqui no Juliana Ever e eu vou entrar em contato por email com a pessoa. O prêmio será enviado via Sedex. Todo mundo pode participar! :D

ATENÇÃO: A promoção só vale para localidades dentro do Brasil!


EDIT:
1. Devido ao que 2 pessoas já me falaram, fiquei com a pulga atrás da orelha... Imaginei que pudesse haver mais pessoas com essa mesma dúvida. Gente, pra ser seguidor do blog não precisa ser dono de um, okeys. É o seguinte, você se cadastra através do Google Friend Connect que está lá embaixo, nessa barra lateral-direita. É só clicar em seguir e escolher a opção "Conta do Google" que é a mesma do Orkut, tá.
2. O sorteio vai ser realizado no site
Random.org e eu vou publicar um printscreen do sorteio, okeys, pra ser tudo bem transparente *esse é o site que o pessoal está usando no Twitter pra fazer sorteios*.
3.
Tem que comentar, viu. Com todos os dados completinho: nome, cidade/estado, email.
4. Pessoal, se alguém tiver dúvida quanto à promoção, é só perguntar pelos comentários que eu terei o maior prazer em responder, tá. Quero ver todo mundo participando! Lembre-se que é até o último minuto do dia 30. ;]

-beijoparticipe;*
05 agosto, 2009 15 comentários

Pride & Prejudice



[Atenção: Este artigo contém revelações do enredo do filme]

Essa minha gripe, na verdade, só contribuiu pra uma coisa: assistir Tv. Quem me acompanha sabe que eu amo televisão. Séries, filmes, jogos de futebol, programas de culinária e moda e até mesmo aqueles naturebas que passam no DiscoveryChannel e no NatGeo. Segunda-feira tive uma crise de tosse horrorosa aliás... ela ainda está insistindo aqui o que me impediu de ir pra Rádio ajudar a @danamalua com a série de reportagens especiais que deveríamos estar fazendo juntas incrível! a tal da faringite esperou as férias todas pra acabar com a minha saúde justo quando eu precisava dela de fato, mas que ela, bravamente e competentemente, acabou encarregando-se sozinha de fazer.

Isolada em casa, aproveitei para pôr meu hobbie em prática e em dia, já que, ultimamente, não tenho assistido muito a Tv. Passei a tarde todinha assistindo Tv e a noite também até às 00h. ando dormindo cedo. Mas, o que me traz aqui é um filme que assisti. Infelizmente fui obrigada à dublagem horrível que fizeram, já que assisti no TNT e lá só passa filmes dublados. O filme em questão é Orgulho e Preconceito (Pride & Prejudice, 2005), estrelado por Keira Knightley, no papel de Elizabeth Bennet, e Matthew Macfadyen, como Mark Darcy.



Sinopse:
Na Inglaterra do século 18, as vidas de cinco irmãs Ja
ne, Elizabeth, Mary, Kitty e Lydia vão virar de cabeça para baixo quando um homem muito rico e belo chega ao local acompanhado de um amigo, o solteirão Mark Darcy. Baseado no romance de Jane Austen. [Trailer oficial AQUI!]





Todo mundo deve saber que esse é mais uma adaptação, só que aqui temos como referencial uma obra aclamada pelos ingleses, compatriotas de sua autora, Jane Austen. Infelizmente ainda não tive a oportunidade de ler o livro que originou esse filme do qual eu tanto gosto. E gosto mesmo, já que detesto a nossa estrela principal, senhorita Knightley resquícios de Piratas do Caribe, com certeza. eu tenho consicência disso, excuse me. O filme todo é feito pra ser adorado: a história é incrivelmente cativante, a iluminação é perfeita, a trilha sonora é de enlouquecer e os cenários são, simplesmente, maravilhosos. Sério! É de tirar o fôlego.

Mas, não é exatamente dessas coisas que todo mundo fala que eu quero falar. Não! Na verdade, eu só queria retomar algumas cenas do filme que me fascinam em particular e expor pra vocês o porque desse filme ser assim um dos meus favoritos entendam como um daqueles que eu assistiria seguidas vezes. Antes de tudo, a história não é como um romance óbvio, já que desde o início somos estimulados a não gostar do sério e compenetrado Mr. Darcy. Um cara tão orgulhoso e tão frio não é bem o referencial de ternura e doçura que se espera de um "bom" romance.

[Lizzie fugindo de sua mãe e de seu possível casamento com Mr. Collins /
No balanço
minutos antes de Charllote lhe contar que vai se casar com Collins]


Além disso, a personagem de Lizzie é forte o que faz com que nos identifiquemos com ela logo de cara. Uma moça a frente de seu tempo, que no final do século 18 insistia em fazer suas escolhas e ainda em ser sobremaneira sincera. Acho que todos esses elementos modernos numa narrativa que pretende ser épica tornam a história em si muito envolvente e deixa o espectador com gostinho de quero-mais.

Li em uma crítica do Omelete muito interessante, por sinal que a versão apresentada no Brasil tem 127 minutos e segue o livro e o puritanismo de Austen. Já a versão veiculada nos EUA sofreu uma somatização de 8 minutos, durante os quais foi acrescentado um final a mais para satisfazer o público norte-americano que não é muito adepto daqueles finais pra-inglês-ver. Sinceramente, se mudassem o final eu ficaria muitíssimo decepcionada. É tão perfeito como é não vou contar, pra não estragar.

Continuando de onde parei, o encantamento que o filme proporciona não para por aí. O espectador também é cada vez mais instigado pelas desventuras que o "casal" se é que assim podemos nomeá-los ao longo do filme passa. É uma série de encontros e desencontros que deveriam acabar de uma forma totalmente diferente. Além disso, é incrível como o romance central é construído, de forma tal que Lizzie e o Mr. Darcy não trocam sequer um beijo apaixonado durante toda a narrativa, mesmo quando se pode perceber que o desejo transborda dos olhos e peles dos dois. Enfim, é um filme pra se assistir e até ter em casa, já que se pode assistir várias e várias vezes e sempre haverá algo novo nele.

[Cena perfeita em que os dois dançam durante uma festa e logo os únicos na sala são eles]

Enfim, as cenas que me extasiam todas as vezes que assisto. A primeira é uma cena em que Lizzie vai visitar sua amiga Charlotte (Claudie Blakley) recém-casada com o Mr. Collins (Tom Hollander), que é apadrinhado da Lady Catherine de Bourg (Judi Denchi), que por sua vez é tia de Mr. Darcy tudo tem conexão, certo?!. Por força do destino Darcy também se encontra na região visitando a tia e acaba encontrando-se com Lizzie, quando o casal de amigos leva-a para uma visita a Lady Catherine.

Durante uma das celebrações de missa/culto não sei ao certo que Mr. Collins realiza na igreja, Lizzie fica sabendo de algo que Mr. Darcy fez que ela desaprova. Tem relação com sua irmã Jane (Rosamunde Pike) que está especialmente estonteante nesse filme e com o amigo pessoal de Darcy, Mr. Bingley (Simon Woods). Bom, nesse momento, na igreja, enquanto ela ouve a história e o sermão, cai uma chuva pesadíssima lá fora, o que contribui imensamente para o cenário da cena externa que se sucede e pela qual eu tenho particular apreço e encanto incondicional.

Lizzie sai correndo da igreja, não acreditando em tudo o que ela ouviu. Ela chega a um lugar onde pode se abrigar da chuva, e ali absorta em seus pensamentos é pega de surpresa com a chegada de Darcy o que surpreende ao espectador também inerte à narrativa. A cena é especial. Não vou descrever o que mais acontece, senão a cena perde o encanto se bem que, pra mim, a cada vez ela se torna mais encantadora. [Como eu não achei uma foto decente dessa cena, AQUI está o vídeo!]

A outra cena é uma das finais do filme. Lizzie não consegue dormir após a visita turbulenta e assustadora de Lady Catherine no meio da noite, e sai para uma caminhada ao nascer do sol. O momento é perfeito e ela logo avista Darcy se aproximando. Deixo-os com suas imaginações pra que corram logo à locadora mais próxima e assistam a esse filme que é sem dúvida lindo e ideal de se assistir. [Pra quem quiser ver mais imagens legais do filme, tem essa galeria AQUI! Peguei algumas imagens lá]

Do mesmo estilo temos também Desejo e Reparação (Atonement, 2007), que também é uma adaptação, mas escrita por Ian McEwan também inglês. Não sou das mais fãs deste filme. Mas, confesso que pensando depois do filme sobre o mesmo, gostei mais dele. Não me proporcinou uma boa experiência cinematográfica, como Orgulho e Preconceito que me cativou logo no início. Contudo, hoje sinto vontade de vê-lo novamente. [Trailer oficial AQUI!]

Tenho por mim, que não é um filme pra se ver uma vez só e que você apreende sua mensagem quando o assiste e reassiste e torna a assistir. A história é muito complexa pra ser absorvida de uma vez só, creio eu. E, diferente do primeiro, Desejo e Reparação não é tão puritano quanto e traz cenas mais fortes e linguajar mais pesado. Também não tive a conveniência de ler a obra original, o que ainda devo fazer algum dia. Enquanto isso, vou me dedicar a assistir a esse filme mais uma vez. [AQUI você confere uma crítica bem legal no Omelete]

Confesso que a personagem de Briony Tallis (Saorsi Ronan/foto, Romola Garai e Vanessa Redgrave), uma contadora de histórias nata me instiga muito, talvez justamente por ser uma contadora de histórias nata. Este, como Orgulho e Preconceito, tem como estrela Keira Knightley que, da mesma forma, não se faz tão odiosa quanto em Piratas do Caribe okey, ela é uma boa atriz. é só implicância. Vale a pena conferir.

Aniversário!

O Juliana Ever vai completar 1 aninho de existência. E eu queria muito fazer uma promoção pra comemorar a data como eu mereço. Bom, se eu tiver alguma grande idéia, podem ter certeza que vou fazer. Mas, até lá, divirtam-se por aqui. E já quero deixar de antemão, meu muito obrigada por todos que me acompanham desde o começo ou não. Esse blog, realmente, faz parte de mim, e cada um que comenta ou só lê essas coisas legais ou, às vezes, não tão legais que escrevo contribui e muito para o meu crescimento. Seja somente na escrita, seja com os comentários carinhosos e de apoio que muitas vezes recebo, seja simplesmente por compartilharem de tantas experiências comigo. Sério! Obrigada. Vou pensar em algo, prometo. Quer dizer, já tenho uma boa idéia, só preciso averiguar se consigo colocá-la em prática. Até a volta.

-beijomelig'agora;*
02 agosto, 2009 11 comentários

Convicção



"Nunca diga nunca"

Essa é uma daquelas frasezinhas feitas que sempre tem alguém que lembra e fala como se fosse a mãe de toda a sabedoria. Mas, o engraçado não está nessa fatia do bolo. A cereja de toda a discussão, na verdade, é que a maior parte das pessoas acredita mesmo nessa sentença nomeada aí acima. Já tive algumas discussões a esse respeito, principalmente, quando o então propagador da idéia popular resolve arguir que não se pode conhecer o que vai acontecer no futuro.


É claro que não! Afinal, ninguém tem bolinha de cristal, e eu mesma, não acredito nessas "ciências" da adivinhação. O fato é que dizer "nunca", nada tem a ver com a sua capacidade de adivinhar ou prever o que virá, mas ter convicção suficiente de que, ocorrendo ou não certa situação, a sua atitude não vai mudar. Calma lá! Eu não disse que temos que ser imutáveis. Mas, convenhamos, que certas posturas não mudam e certos ideais e conceitos só se consolidam com o passar do tempo.

Logo, algumas atitudes, ou a ausência delas, são totalmente previsíveis a cada um de nós. Ou pelo menos, deveriam ser. A não ser, e é aí que mora o perigo desse texto que vocês lêem, que as pessoas não acreditem de fato naquilo que dizem acreditar... não vivam, realmente, da maneira como afirmam viver. Sinceramente, quem nunca diz nunca, pra mim, é uma pessoa sem convicções. Alguém que não consegue ser firme o suficiente em suas decisões e/ou escolhas.

Eu digo nunca! Não sempre. Mas, quando necessário. É claro que essa minha corrente de pensamento, não toca em coisas banais, como: "Eu nunca serei loira" (o que, realmente, é pouco provável que eu me torne). Não! A esse tipo de construção, cabem as situações mais sérias que envolvem decisões e comportamentos habituais e intrísecos de cada um de nós. Acho que pelo teor do texto, já deu pra perceber que as coisas sobre as quais discorro aqui são bem mais sérias e de maior efeito real.

Pra variar, vou cair no erro de dar um exemplo prático (vago, mas muito aplicável e entendível). Há alguns meses, passei por uma situação complicada com uma certa pessoa; e, às vezes, quando eu dizia que nunca haveria uma maior proximidade, algumas pessoas me corrigiam com a frase cabal; o que sempre acabava se transformando em uma imensa discussão sobre a minha total convicção do meu futuro e de como nele alguns tipos de pessoas não estão incluídas.

Engraçado como as pessoas, principalmente colegas e familiares distantes, tendem a achar *e lá vamos nós com os perigos do achismo novamente* que não sabemos tomar decisões e/ou precisamos de ajuda para a tarefa. Mais uma vez, sinceramente, eu desisti de discutir com pessoas que insistem nesse tipo de argumentação falha e fraca. Até porque, eu já disse que "está pra nascer alguém que me convença do contrário". A possibilidade é ínfima, tão pequena que é, praticamente, nula. Não tente.

Agradecimentos

Gentem, obrigadinha de verdade por todos os votos de melhora. Já estou, praticamente, zero-bala *olha o linguajar*. Sério! Agora só falta pouca coisa dessa minha garganta e tudo estará como novo. Obrigada mesmo pelo carinho. Aaaah, e deixa eu contar pra vocês sobre minha pseudo-aventura no pronto-socorro do hospital na quarta-feira.

Cheguei lá com muita febre, dor de cabeça, aquelas paradas todas de gripe que todo mundo tá cansado de saber. Tive que ficar mais de 1h esperando pelo atendimento, mas tudo bem. Quando entrei no consultório do médico de plantão no horário, ele me fez contar todo aquele histórico de como começou toda a minha gripe, desde à indisposição mais leve até os ataques loucos de mil-espirros. Agora que vem a parte divertida. Quando comecei a contar todos os sintomas que eu tinha pro médico, o rosto dele era tomado a cada sintoma por uma expressão desolada de preocupação e medo. Sério! Ele achou mesmo que eu tinha a tal da gripe tipo A.

E depois, pra completar, minha mãe foi dar uma de joãozinho-sem-braço-desinformado: quando o cara me fez deitar lá naquela maca pra poder fazer aferição da pressão, ouvir minha respiração, todas-essas-coisas, a momis me vira e pergunta pro médico assustado: " - Aqui em Goiás num teve caso daquela gripe ainda não, né?" Aaaaah, mas a cara do médico quando ele respondeu aquele "- Teve." seco e direto foi impagável. No fim, ele chegou à conclusão de que eu tinha apenas uma faringite *pra quem nem sabe direito o que é a faringe, tá tudo até muito bem*. Fui embora rindo. E muito.

-beijomeliga;*

p.s: Meu cabelo está enooorme.
 
;