13 abril, 2010

Das aulas de música



Primeiro vem a fase de inscrições. Correria pra ser um dos primeiros a se inscrever e, pelo menos, tentar garantir uma das vagas. Depois vêm os testes. Aquelas pessoas conhecidas amedrontam alertam a todos sobre a dificuldade da prova de aptidão. A lista de aprovados sai e verifica-se que o nome está lá, afinal. Daí vêm as matrículas e logo começam as aulas, propriamente ditas.

Não sei quanto a outros lugares do país, mas aqui aulas de música são incomuns. A não ser para aquelas pessoas que nasceram com a cara virada pra Lua pra não dizer outra coisa e que tem caixa pra bancar as escolinhas básicas daqui. É claro que o tal do violão rola solto, afinal é a terra do sertanejo - nem eu discuto. Mas, para quem gosta e pretende ter uma formação decente, não é qualquer revistinha de banca que garante o aprendizado.

Com o mínimo de conhecimento que adquiri sobre teoria musical ao longo da vida, as primeiras aulas foram de difícil digestão.

Uma pequena sala.
Uma turma enorme.
Dois ventiladores discutíveis.

Nada estava colaborando para que eu permanecesse naquelas aulas curtas e sem sentido, a não ser a minha promessa de que mais da metade da turma desistiria até o segundo mês de aulas.

Dito e feito.

Mais de 30 pessoas não têm frequentado às aulas e quem não fizer a avaliação está fora. Estou satisfeita, não nego. O ritmo das aulas melhorou bastante e até aprendi coisas novas - o que não havia acontecido até 3 semanas atrás.

As aulas de música são algo interessante, talvez pelo tanto de gente, literalmente, esquisita que aparece. De repente é um sonho de menino que cada um deles têm - vai saber. Depois tem as aulas de coral, que seriam bem melhores caso o professor não fosse um espécime humano muito do questionável. Nada contra, sério. Mas, se for pra emburrecer, prefiro prosseguir com o tiquinho de inteligência que possuo.

Desisti das aulas de coral. É que, tipassim, si para mim nasceu si e vai morrer si; a renomeação de notas musicais vai além do que a minha capacidade mental dispõe. E como não pretendo cortar as unhas mesmo possuo habilidade motora, as aulas de violão coletivo também não me atraíram. Por enquanto, serei toda teoria; a prática fica para os ensaios do coral de pré-adolescentes e da equipe de música lá da church.

Ontem, fiquei sabendo que temos prova na segunda. E isso nem me desanimou. O chato mesmo, é que agora tem a tal da chamada. Minha faltas serão agora reguladas.

-beijosmusicados;*

5 comentários:

Iris disse...

Aqui é muito fácil ter aulas de música. Tem em todo lugar, eu mesma já tive diversos professores particulares de música e nem é caro.
mas eu não tenho dom, então desisti.

Cris Pironi disse...

Ju, super saudades de vcs!!! Tô numa coisa doida, e a transferência pra site ainda não deu certo :o((
Vou postar hj, preciso me organizar tipo preparar os posts no fds e soltar durante a semana!
Bjs, gataaaaa!

João disse...

Pô, boa sorte nas aulas, eu sou altamente frustrado com música, já fiz aula de baixo, aula de gaita, mas nunca consegui seguir em frente até aprender de verdade (ainda que eu me orgulhe de saber tocar duas musiquinhas dos Beatles na gaita e tal)

☆ Kakau4ever ☆ disse...

Eu fazia aula de canto amiga, e desisti tbm...
sou mais a prática mesmo...
mas é bom ter um pouco de teoria tbm...
mas em grupo não dá pra aprender messsmo
bjokss flor

Carlinha disse...

oie jú... eu fico aqui sem aula,mas tentando aprender a tocar violão, o problema como vc citou são as unhas!! que dor estar sendo ter que cortá-las!! =/

=*

Postar um comentário

 
;