20 março, 2009

Lógica das Relações


Alguém já te disse que com umas pessoas você é de um jeito e com outras você é de outro? Em outras palavras, eles lhe disseram que você é falso. Ha-Ha! Não se preocupe. Todos nós somos falsos. Claro que não no sentido ruim da palavra se é que existe um sentido bom, né. A lógica das relações entre as pessoas segue determinadas regras de convivência. Óbvio, eu sei. Mas com cada pessoa nós somos uma pessoa diferente, conversamos coisas diferentes, fazemos diferentes piadas. Já havia pensado nisso algumas vezes, mas depois de um episódio em especial que ocorreu essa semana com um amigo, parei pra pensar de verdade, e seguindo o conselho dele, resolvi escrever sobre isso.

O caso é que quando eu fazia a ?! :| Não, não... a 8ª série, tive uma professora de Artes que era bem chocante, por si só. Ela sempre trazia uma coisa mais absurda do que a outra para a sala, e as aulas dela eram realmente muito cômicas. Um dia ela chegou na sala acusando a todos de serem falsos. 00 O choque foi total, é claro. Um monte de crianças entre 14 e 16 anos na sala de aula, uma professorinha metida[/espirro] chega chamando todos de fingidos? Mas, passado o susto, e pensando sobre isso, ao final da aula eu já concordava com ela. Nós não somos de fato falsos, mas somente que nunca mostramos a mesma face para todos. Não somos indiferentes e, por mais sinceros que sejamos, não conseguimos ser tão constantes assim. Dou meu exemplo, que é totalmente óbvio. Uns dizem que eu sou malvada, outros que eu sou um doce, outros que eu sou chata (concordo plenamente. e quem não é?!), e alguns insistem em me achar divertida não usem a palavra engraçada. não sou palhaço.

Mesmo tentando não dá para, por exemplo, conversar do mesmo modo que eu converso com uma e outra pessoa (estou procurando não ficar nomeando as pessoas no meu blog. ninguém merece ser exposto). Cada indivíduo, como a própria palavra define olha a redundância, é individual. E assim como eu dou esse tratamento diferente a cada um, as outras pessoas também fazem o mesmo comigo. Não estou tratando de fingimento aqui, plx. Você sorrir para a pessoa pela frente, e falar dela pelas costas é um caso bem distinto, e não tem nada a ver com as máscaras de que falo aqui.

As máscaras cotidianas têm a ver com os grupos de que participamos, com as pessoas que convivemos, com a parte de você que você exibe para cada um deles. É por isso que somos assim tão contraditórios, e é por isso também, que geramos tão distintas opiniões. E quer saber?! Eu acharia muito chato se todos tivessem a mesma opinião sobre mim, sendo ela boa ou não. Entretanto, tirando toda essa minha conversinha fraca, tente observar os modos com que você trata as diferentes pessoas. Nomeie seu grupos. [Exemplo *meu caso*: 1. igreja; 2. faculdade; 3. amigos antigos de escola; 4. família; 5. amigas-impossíveis-de-nomear; 6. assim-por-diante.] O resultado é interessante. Divirta-se. ;*

p.s: Postzinho mais sem-gracinha, né. -.- Releve.

5 comentários:

Kia MeL disse...

Oiee,
O seu post serve pra minha prima que sempre me chamou de 'duas caras'.
Celok*

bond disse...

oie juzilda!!
passando pra dizer que li e gostei , muito boa abordagem!!!
so esqueceu de uma coisinha!!
falar que tem gente que te chama de "estranha"(ou e so eu?!?!?)
nota 10
bjuuu

Rubens Salomão disse...

eu estou no 2. Faculdade ou no 6. assim-por-diante ?


adorei o post!


=**

Paula Falcão disse...

Vc disse para sempre comentar, quando leio.

kkkkkkkkkkkk

Eita, Ju...
Vc é doce mesmo, fato.
Incontestável.
bjuju

Dana Malua disse...

Eu sou falsa mesmo hauhauah
Maquiavélica que só vendo...
O pior é que às vezes deixo escapar algumas coisas e as pessoas me olham com cara de QQQQ...
Adoro!

Beeeijo!

Postar um comentário

 
;