26 dezembro, 2009

Dois pijamas, duas versões



Sempre gostei da idéia de se fazer adaptações de livros para o cinema. Pra mim é como unir o útil ao agradável. Não que eu já tenha lido/visto muitos, mas a idéia disso me agrada bastante. Entretanto, muitos filmes me contradizem, quando essas adaptações que poderiam ser tão boas, são feitas de maneira relaxada pouco semelhante a obra original. O primeiro caso comprovado e super-frustrante desse tipo de prática pra mim foi a saga Twilight. Ok! Pode ser coisa de louca viciada em livros, mas honestamente, nada naqueles filmes me estimula, o que é bem diferente do que acontece com a saga original. Neste sentido, e já esperando o pior, como anunciei no último post, assisti a O menino do pijama listrado, adaptação do romance de mesmo título de John Boyne.

[ATENÇÃO! CONTÉM SPOILERS NOS PRÓXIMOS TRÊS PARÁGRAFOS!]

Eu, definitivamente, amei o livro. Apesar do final ser muito repentino e, com isso, dar ao leitor a sensação de desamparo, é muito interessante acompanhar momentos tão horríveis da visão de um menino de oito anos. A história é a seguinte, tanto no livro quanto no filme, Bruno, um garoto de oito anos e filho de um comandante do exército nazista na 2ª Guerra Mundial, se vê obrigado a se mudar quando seu pai é transferido para o controle da base de um campo de concentração. Mas, ele não sabe disso. Só entende que vai deixar seus "três melhores amigos para a vida toda", sua casa grande, espaçosa e cheia de lugares a serem explorados, e seus avós, ou seja, sua vida em Berlim.

Chegando à casa, muito insatisfeito por sinal, ele descobre uma tal "fazenda" da janela de seu quarto, onde existem pessoas que ficam de pijamas o dia todo e há muitas crianças com as quais ele até poderia brincar, se não houvesse a cerca. Um dia, ele resolve explorar, seu passatempo preferido, e começa a caminhar ao lado da cerca. Por um bom tempo, Bruno caminha sem nada avistar, mas logo ele vê uma mancha que, aos poucos toma a forma de um menino. O nosso protagonista, então, conhece Shmuel (origem hebraica, Samuel), O menino do pijama listrado, um garoto que extraordinariamente tem a mesma idade e ainda que havia nascido no mesmo dia em que Bruno. Dali em diante, os dois garotos desenvolvem laços fraternos de amizade, apesar de sempre estarem separados pela cerca.


Um dia, porém, um ano depois que a família chegou ao campo, surge a notícia: Bruno, sua irmã e mãe vão voltar a antiga casa. Bruno não fica contente com a notícia, já que ele já havia se acostumado a viver ali, apesar de todos os problemas, e estava feliz com seu amigo Shmuel. Ele avisa o amigo e como última aventura dos dois, fica decidido que Bruno vai atravessar a cerca em um ponto em que esta estava mal fixada. Tudo isso acontece debaixo de muita chuva e perigo. Bruno passa para o outro lado da cerca um dia antes da viagem e nunca mais retorna de lá. A recuperação dos pais, que só descobrem seu desaparecimento horas mais tarde, demora muito tempo. O que, no livro, é retratado em um epílogo.

[ATENÇÃO! ACABARAM-SE OS SPOILERS!]

A base do filme é a mesma do livro. Mas, como em toda adaptação faltou muita coisa. Também, era de se esperar que menos de 1h30 de duração não pudessem mostrar tudo o que Boyne conta através dos olhos de Bruno. O filme é bom. Recomendo. Mas, para aqueles que tiveram o prazer de ler o livro, vejam com a certeza de que vão assistir a um filme de que somente lembra um livro já lido. Não que se distancie tanto. Mas, ao que parece, tantas modificações da história precisaram ser feitas, que suas semelhanças tornaram-se bastante limitadas.

Outro grande problema do filme, é o que previ no post anterior: a narrativa cinematográfica faz a história perder o encanto do desconhecido, tornando tudo claro ao espectador, desde o campo de concentração, às frustrações da mãe, à mudança da irmã, entre outros detalhes que, sob a visão do narrador-Bruno na obra original, se tornam elementos misteriosos e trazem a dúvida ao leitor. Resumindo, no filme tudo é explícito, explicado e retomado o tempo todo. A típica estruturazinha que já conhecemos de tantos filmes.

Se acho que o filme poderia ser uma adaptação melhor? Sem sombra de dúvidas. Talvez *olha a palpiteira* se o diretor tivesse recorrido a um narrador em 1ª pessoa, no caso Bruno, pode ser que o ar de mistério prevalecesse ou, pelo menos, o espectador saberia que o garoto não estava entendendo nada do que acontecia ali e não, como transparece a quem assiste, o garoto é um tolo por não perceber o que está acontecendo embaixo de seu nariz.

Bom é isso, mas vale a pena assistir e ler não necessariamente nesta ordem. Só não esperem ver adaptação, no sentido mais puro da palavra, porque pra mim é uma versão bem diferente da original. E é tão melodramático que, confesso, me fez chorar.

-beijoslistrados;*

11 comentários:

Paula disse...

Ju,
Tb gosto de filmes baseados em livros, pena q muitos deles não fazem jus aos livros...
Feliz 2010!!!
Bjos,
Paulinha
http://diarioleituras.blogspot.com/

Karol disse...

Oii querida, vim desejar um feliz ano novo pra vc.. que seja repleto de felicidade, conquistas, muita saúde, amor e tudo o mais!
bjoos

KINHA disse...

Olá

Passeando pela blogosfera encontrei seu blog com belas imagens e posts interessantes. Espero sua visita e se quiseres me seguir te seguirei também.
http://amigadamoda.blogspot.com

Deborecah disse...

Eu pretendia ler o post inteiro, massss, desculpe, não pude ler a partye do spoiler, afinal, ainda não lí esse livro e ainda pretendo ler sem saber o final rsrsrs O fato é q na escola minha matéria favorita sempre foi história, e as guerras eram algumas das partes que eu mais me interessava. Aposto q vou gostar desse livro. Qtas páginas? rsrrsrs

pequena disse...

Ai amiga, tbm amo te muito viu, vc foi uma das coisas boas de 2009, e espero que esse ano de 2010 dê certo pra gente se conhecer pessoalmente né? rss

Muito amor, paz, saúde, conquistas e sucesso pra vc tá? E isso é só uma pontinha do everest de coisas boas que eu desejo pra vc! rsss

Feliz Ano Novo flor liiiiiiiinda!

bjos!

Dana Malua disse...

Hoe, Ju!
Tô com muita vontade de ler esse livro agora^^, graças ao seu post!
Feliz 2010!!! Que seja um ano cheio de coisas incríveis!

Say disse...

Bem vinda de volta Ju /o/

Sempre quis ler esse livro, mas aconteceu de eu ver o filme antes e me decepcionei com o final , (por mais q seja aquela lição de moral, mas ainda prefiro os finais felizes), daí findei perdendo o ânimo pra ler.

E feliz 2010 pra você.
Bjão

Julianna Steffens disse...

Ju passei pra desejar um feliz ano novo, mesmo que atrasado^^ que 2010 seja uma ano de ótimas leituras =o*

Bruna disse...

Ai eu vou assistir. Até estava interessada em ler e tal mas não gosto de ler livros com finais tristes *-* Sempre me arrependo, já filmes eu não me importo muito.. mas vou assistir deve ser bom 8) beijos.

marisa marton disse...

Que gracinha!!! Amei!!!
Parabéns pelos seus testos.
Um grande beijo.

Marisa Marton (madrinha)

Carlinha disse...

é muito ruim mesmo quando se lê um livro e ele acaba sendo adaptado de forma muito sem noção para filme!
Porém assim como vc, adoro q os meus livros tão queridos se tornem algo mais real e "palpável"... não que os livros não sejam, mas acho que através do filme, nossas idealizações se completam...

Sobre o menino do pijama listrado, assisti o filme(*que tb me fez chorar) e é como vc disse aparenta faltar algo, mas não li o livro então... não posso dar uma opinião mais ampla!

Postar um comentário

 
;