09 agosto, 2011

Inversas Já


Funcionaria de forma substitutiva às Eleições Diretas, mas, neste caso, o povo votaria naqueles candidatos que não quisessem.

Num esquema bastante parecido com a eliminação desses reality shows brasileiros. Seriam eleitos aos mandatos aqueles que tivessem menos ou nenhum voto. Caso houvesse empate entre candidatos, o eleito seria aquele que nunca cumpriu nenhum mandato no cargo ao qual está concorrendo. Isto deveria garantir a renovação constante das cadeiras nas Assembleias Legislativas, bem como no Congresso Nacional, além dos cargos do Executivo. Seria proibido que membros da mesma família ocupassem o mesmo cargo mandato após mandato, evitando o domínio dos poderosos em pequenas cidades ou estados menos abastados.

Haveria uma escalada de cargos, começando pela função de líder de bairro, associação ou sindicato. O presidente seria o supra-sumo do governo e, em sua carreira política, deveria agrupar, no mínimo, um mandato em cada um dos cargos existentes nos poderes Executivo e Legislativo, começando pelo preterido vereador, até o Senado Federal, passando pela prefeitura e pelo governo de um estado. Seu salário seria mais alto do que de todos os outros, mas ainda assim justo ante o cenário econômico atual do país presidido. Até porque, as remunerações não poderiam ser decididas mediante votação dos parlamentares, mas corresponderiam a uma quantidade pré-determinada de salários-mínimos, sem possibilidade de aumento. O presidente também não seria o responsável pela escolha dos titulares do ministério, evitando assim intrigas e alianças mal-concebidas, e ainda a nomeação de incapacitados para a tarefa da respectiva pasta.

Além disso, o preenchimento dos cargos no Judiciário deveriam responder a concursos públicos bem desenvolvidos e que não se resumissem apenas à provas objetivas. Os concursos deveriam ser ainda restritos a candidatos com formação comprovada e sem vínculo com outros funcionários do poder público. Os cargos comissionados não existiriam, nem mesmos os chamados de confiança. Nepotismo seria uma palavra extinta do vocabulário padrão e a candidatura de artistas, jogadores de futebol e personalidades famosas seria vedada; salvo em casos autorizados pelo Judiciário bem selecionado.

As Eleições Inversas também teriam normas diferentes para a publicidade e o marketing eleitoral dos candidatos. Seria proibida propaganda contrária e/ou de oposição. Desta forma, todas os comercias, flyers, folders, cartazes e etc seriam submetidos a uma perícia detalhada dos Tribunais Eleitorais, a la DIP do Getulião, mesmo. Não haveria propaganda eleitoral na TV, não dessas financiadas pelas grandes empresas e pelos partidos. O período obrigatório mostraria apenas o nome e o número de cada candidato e os telejornais (que também seriam, constantemente, vigiados) investiriam em programas direcionados para a carreira política de cada candidato (todos, sem exceção), a fim de esclarecer o eleitor. A publicidade de carros de som seria extinta, uma vez que nenhum dos candidatos teria interesse real em divulgar seu número, além disso, diminuiria também a poluição das ruas em dia de eleição: não existiriam mais santinhos - o que diminuiria (e muito) o trabalho dos garis no dia seguinte ao pleito.

Os casos de infâmia a concorrentes seriam investigados pelo Tribunal Superior Eleitoral em conjunto com a Polícia Civil e implicaria desde multas, até mesmo pena de prisão. Neste último caso, não seriam concedidos privilégios. Se houvessem denúncias de corrupção, o caso seria apurado e investigado e os envolvidos condenados ao cárcere, sem privilégios, em cela comum. Além disso, caso houvesse desvio de quantias, com a investigação eficiente dos oficiais de polícia, em parceria com as comissões de inquérito, o montante deveria ser recuperado e revertido em obras, em caráter emergencial. Para isto, seria selecionada uma comissão a fim de fiscalizar o seu investimento devido. Mas, isto já está fugindo das Eleições Inversas...

-beijoseleitos;*

p.s.: Escrito por mim, idealizado por um dos meus pensadores favoritos: meu irmão.
p.s.2: Encontrei um blog que propunha algo semelhante nas últimas eleições, o Política Inversa. Contudo, não sei porque, o autor não deu continuidade ao projeto; o que é mesmo uma pena.
p.s.3: Pra quem não sabe, o Corinthians foi o único clube de futebol a apoiar abertamente o movimento Diretas Já, fundando a chamada Democracia Corintiana, que estabeleceu o voto direto para ocupação dos cargos da diretoria do clube, bem como da comissão técnica e demais funções. Na época, a torcida levava faixas de protesto para os jogos e os jogadores chegaram a usar camisetas de incentivo, tal como a exibida pelo Sócrates aqui, um dos ícones do Timão (pronto, parei de fanatismo, porque o post nem é sobre futebol, né).

10 comentários:

Maíra disse...

nossa, com certeza, all star não é só de gente colorida, eu adorei, e realmente como também estudo na parte de comunicação, da bastante all star ;D ahuahuaha

adorei a ideia de eleições inversas, eu não gosto muito de política, mas a gente entende porque é preciso, realmente as coisas precisam mudar e rápido, porque pelo que está hoje, o nosso país não vai ser mais democrático ;x essa coisa de salário, um ganha mais que o outro, porcentagens absurdas de aumento, é ridículo, como podem fazer isso, vendo que um professor ganha por hora 7 reais, ou se duvida é menos, é lamentável ver isso no nosso país, também concordo que não deve ter flyers, folders e cartazes, só deixa as ruas sujas e fica uma poluição visual horrível.
adorei isso, espero que o Brasil tome consciência disso, e proteste! ;D
não sabia essa coisa do corinthians, achei interessante e super legal ;D

ótimo post, se cuida, boa semana
beijos :*

Bih disse...

Olá Juliana Marton!
Política é um assunto complexo e um tanto quando polêmico de se falar/escrever.
A lei é falha, isso é fato. E se não impormos uma mudança no sistema, não haverá mudanças.
Gostei do post, bem interessante!
Beijos!

tony disse...

nosso maior defeito, enquanto comunidade, é a cultura. Cultura que não nos permite, em primeiro ponto, obter este senso perfeito de comunidade. Começa por sermos um pais continental (e aposto aquele pacote de sete belo se alguma vez vc não se referiu a minha cidade como "ah lá no sul", englobando tres estados e milhares de cidades pluriculturais em tres letrinhas) e acaba na maldita lei de gerson, que fez do brasileiro um povo questionador não pela solução de problemas, mas pela falta da descoberta do método de igualar a exploração / ganho / benefício que foi encontrada.

outra coisa que atrapalha demais é a ligação do legislativo com as plataformas de comunicação, instrumentos genuinos da democracia que nos empurraram para uma ditadura branda e branca, onde os maiores canais tem que dizer amém direta ou indiretamente aos "coronéis" [que existem em todas as regiões do país], vendendo apenas verdades convenientes e defendendo interesses que só prejudicam a formação dos novos brasileirinhos, que recebem uma base mal feita, mal educada, descomprometida e irresponsavel, com a propria e com a vida alheia.

As eleições inversas funcionariam até o primeiro esquema... ótimos dias pra ti, bjo!

tony disse...

||| EM TEMPO |||

Cartas #3 \\ "essa vontade que me enche de você" é de encantar junto com o sorriso que imaginaria sendo dado, seja por quem disesse ao amado, ou ao sortudo em questão que ouvisse / lesse ;)

Coisas que voce... \\ só pelo "coisas" lembrei do blog do joão e já veio uma risada :D... é uma outra forma de ilustrar que as vezes a vida é menos fácil do que parece, e que sim, devemos dar mais valor aos nossos pais, principalmente quando sabemos que nos farão falta também por isso. Aprender a respeito também é o ideal para cobrar algum dia [pq cada um ao seu modo e ao seu paitrocninio batalhará para ter uma vida de independencia de afazeres domesticos e dependencia semivital de contratados para fazer aquilo que vc deveria curtir - cuidar da sua (SUA!) casa] de quem for fazer...

TPM \\ mulheres insuportaveis, infelizmente parecem sofrer menos com ela. Não se alteram de fato... mas neuroticas a parte, lamento por aquelas que usam de muleta para serem insuportaveis, e quando trata-se da minha primeira dama, substituo por [T]empo de [P]riorizar a [M]inha mulher. Nem q isso signifique um absoluto silencio. Nem que isso signifique distanciar-se logo após o termino dela. Entre outras coisas que a gente faz quando está bem resolvido conosco e a vontade para tentar fazer a vida de outra pessoa completa.

Alice(3x) \\ ainda não li o livro nem vi por completo o disney 2d, principalmente por ter pilhas de revistas e livros logo cá atras de mim, que serão detonadas assim que leia tudo que separei por aqui [começa por quase 500 msgs e termina nas semanas dos blogs]... assim, apenas fico de análise lida.

Fifty \\ lindo mesmo, e o bacana desse em especial é que a primeira frase já deixa claro que a resposta é parecida, e ainda assim a gente lê inteiro. Amém as nossas aulas de redação que ensinavam a usar uma estrutura circular nos textos :)...

Quando a mudança acontece \\ não entenda como um questionamento, mas como outro ponto de vista: seja lá como, quanto, e porque aja em nós, nós somos a peça em medidas proporcionais (2 ouvidos, 1 boca; 2 pares para locomover e agir, uma só cabeça para coordenar, um só coração para aprender a amar) que é responsavel e agente da mudança. Assim, tal qual não devemos responsabilizar ninguem pelo fato de não nos compreender, não devemos passar para frente a tarefa ardua da mudança, pois o principal beneficiado desta é senão quem deveriamos ter coragem de encarar no espelho todo santo dia, mesmo depois de uma oração. Fé é imprescindivel, mas deve ser compartilhada tanto em nós mesmos quanto em Deus, para que consigamos compreender de fato a sua palavra e a partir dela cresçamos, dentro e fora, por nós e para os outros. Ou seja: mudamos em Cristo, mas mudamos em nós mesmos de fato? Ou apenas estamos nos permitindo viver sob a regua da medida alheia [ = as demais pessoas que de alguma forma tentam ser mais deues que Deus, impondo sua interpretação do que a Palavra traz]?

Quantas horas, por favor? \\ em curitiba a parte do sorriso cai por terra, hauauaua... mas estas reações semi-expontaneas são prova inconteste de que nascemos para ser sociais e sociaveis. Quanto as horas, tenho visto muito menos pessoas com relógios, praticando a neurose de sempre tirar o celular do bolso esperando algo mais... mas isso é mais provavel que seja apenas uma perspectiva minha, já que tenho uma relação quase que de desapego com o tempo cotidiano.

João disse...

Sem discutir a viabilidade técnica do conceito (porque acho que sempre que a gente discute a vialibidade de qualquer coisa no brasil a primeira frase é pra dizer que vão dar um jeito de burlar) eu acho legal a discussão, a busca pelo conceito. É sempre tão fácil falar mal mas é bom quando alguém ao menos sugere algo (seja viável ou não)

pequena disse...

Apoiada amiga, dá um desânimo de ver o país assim né? ai ai
Saudade de vc miga flor linda!
Te gosto por demais viu?

xerim e bom fim de semana!

Maíra disse...

oii Querida ;)

sério? que legall! e o que as pessoas falaram no twitter, acharam legal?

se cuida querida, bom final de semana
Beijos :*

Kakau4ever disse...

Não entendo de política, mas, achei bem intessante a ideia, mas, as coisas nunca vão pra frente por aqui, o que me frustra.
bjoks flor

Matheus Lima disse...

Sensacional, sem mais.

Aym disse...

adorei o post, direto e muito conteudista.
beijos
boa sexta.
*uma aula, praticamente.

Postar um comentário

 
;