24 setembro, 2010

Audrey


Recentemente, adquiri mais um vício de ordem cinematográfica chamado Audrey Hepburn. A atriz belga é ainda hoje considerada um ícone de elegância. Mas, sua passagem pelo mundo não se restringiu somente a atuações cinematográficas e desfiles. Audrey foi nomeada embaixadora da UNICEF, onde trabalhou como voluntária pelas causas da infância.


Bom, esta é a Audrey Hepburn que se mostrou como uma ótima atriz. Apesar de seus papéis serem bem parecidos, gostei bastante do que vi, e gostaria de compartilhar meu vício com vocês. Ainda não assisti todos os filmes, mas esses três foram, sem dúvida, muito divertidos e garantiram algumas horas de diversão. Sei que parece clichê, mas eu sempre tive uma quedinha por esses filmes das décadas de 1950 e 1960.

1. Breakfast at Tiffany's (1961)


O clássico filme que toda garota assiste uma vez na vida foi adaptado do romance de Truman Capote. Esse foi o filme que "consagrou" Audrey como uma verdaderia diva no mundo do cinema e também no mundo da moda. Até hoje, seus modelitos são bastante comentados e desejados pela mulherada. Um dos vestidos usados pela atriz foi leiloado e vendido por US$ 800 mil, o dinheiro foi revertido para a construções de 15 escolas na Índia. O filme conta a história de Holly Golightly (Audrey Hepburn), uma garota do interior que, por se casar cedo demais, acaba fugindo para a cidade grande. Holly sonha em um dia casar-se com um milionário e passa a ser bancada pelo mafioso Sally Tomato (Alan Reed), que está preso, tornando-se uma prostituta de luxo. A protagonista logo conhece o escritor Paul Varjak (George Peppard) que se muda para o mesmo prédio em que ela vive e que passa por situação semelhante à dela. Os dois tornam-se amigos. (pt-br: Bonequinha de Luxo)

2. Sabrina (1954) FAVORITO


Uma comédia romântica muito divertida. Durante toda sua curta vida, Sabrina (Audrey Hepburn), a filha do chofer da família Larrabee, foi apaixonada pelo filho mais novo dos milionários, David (William Holden). Ela se muda para Paris, onde faz um curso de culinária a fim de se tornar uma chef. Quando Sabrina retorna a Long Island, ela é uma mulher totalmente diferente, pelo menos por fora. David, então, passa a cortejá-la, mesmo que noivo de outra. Seu casamento promete um grande lucro para a empresa dos Larrabee. Devido a isso, encorajado por seu pai, Linus (Humphrey Bogart), o irmão mais velho, passa a minar o relacionamento de David com Sabrina, tentando conquistar a moça para si. O final é delicioso e enfim entendi o que é, de fato, o gênero comédia romântica. Vale a pena assistir e se divertir.

3. My Fair Lady (1964)


Eliza Doolittle (Audrey Hepburn) é uma mendiga que vende flores nas ruas de Londres. Barulhenta, dramática e valentona, um dia Eliza é confrontada pelo professor Henry Higgins (Rex Harrison) quanto à sua maneira de falar. Higgins é um culto e chato professor de fonética que desafia Eliza a se tornar uma florista de verdade e abandonar a vida de mendicância. A princípio, Eliza sente-se completa e totalmente ofendida, mas após alguns dias decide procurar o professor. É claro que ele sequer se lembra dela, mas após mais um dramalhão, ele resolve cumprir com o desafio e fazer de Eliza uma dama. Tudo isso com muitas canções e até dancinhas bastante divertidas. Espetáculo à parte, graças à atuação de Stanley Holloway, que interpreta Alfred Doolittle, o pai de Eliza. O filme é divertidíssimo e, como não pode faltar no bom e velho cinema hollywoodiano, tem sua pitada de romance. (pt-br: Minha Bela Dama)

Queria ter assistido Funny Face (Cinderela em Paris) a tempo de comentar também neste post, fica para a próxima. Espero que tenham gostado da dica. Bom filme!

-beijosvintages;*

6 comentários:

Josy disse...

A Audrey é fabulosa mesmo. O Givenchy teve toda a razão de vender a marca depois que sua musa inspiradora se foi.
E o filme que mais gosto é o How to steal a million. Risos sem parar.

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Juliana,

'Bonequinha de Luxo' marcou uma tarde, comendo brigadeiro de colher, deitada no colo da minha mãe. Estou tão sensível que deu vontade de chorar ao lembrar desse momento.

Deixo esse vídeo pra ti:

http://www.youtube.com/watch?v=BOByH_iOn88

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

tony disse...

Duas ótimas lembranças: livros do Capote e Audrey, que não vi porque estou colocando em dia filmes não tão antigos mas nem tão recentes... estou "recomeçando" minha cinefilia pelo que fez a cabeça da geração dos anos 80; depois voltarei no tempo. Dica[s] guardada[s]!

[ps1: solidarizado e aderindo a campanha "salve a Ju dos muitos acessos e poucos comentários", rá :P

ps2: outra foto linda no perfil do blogger, é isso? uia... sem cafajestices (ou lorotas, cantadas baratas e similares): Ju, vc é linda =)]

ótimos dias, bjo!

Karol disse...

meninaa, eu sou doida pra comprar o "breakfast"....... na americanas deve ter ne? na minha proxima viagem vou procurar...
bjos

Maria Tereza disse...

lindo post sobre a Audrey. Eu compartilho desse seu vício cinéfilo, e recomendo que dê uma olhadinha em funny face, dela com o Fred Astaire. Imagens absolutamente lindas.

gostei mto do blog
bjos

Lorena Dana disse...

Juh, vou anotar esse post num post-it gigante! Quero muito assistir a tudo dela!

Postar um comentário

 
;